Presente no mercado desde 1987

29 mar, 2017

Melhor ambiente de negócios facilita vinda de marcas estrangeiras ao País

Em um cenário de redução de juros e inflação, momento também é favorável para as varejistas pensarem em ampliação de lojas, é o caso do Cão Véio, liderado pelo cozinheiro Henrique Fogaça.

A expectativa de um cenário econômico melhor – que foi potencializada pelos cortes consecutivos na taxa de juros e queda na inflação – começa a movimentar o mercado de franquias estrangeiras interessadas em atuar no País no pós crise. Nesse momento, redes como Snap Fitness, Genomed e The Melting Pot iniciam o desenho para chegada em solo brasileiro.

Segundo o diretor-presidente da Global Franchise, Paulo César Mauro, o mercado nacional está aquecido tanto para empresas locais quanto para internacionais que desejam ampliar suas atuações. “Existe uma confiança geral na retomada da economia brasileira. Os três primeiros meses de 2017 valeram pelo ano passado inteiro”, disse ele, se referindo aos negócios que a empresa já conseguiu firmar neste ano.

Para constatar esse bom momento para novos investimentos, os consultores da Global Franchise marcaram presença em uma das mais importantes feiras de comércio do mundo, a Euroshop, na Alemanha. Em entrevista ao DCI, o executivo citou algumas companhias que estão negociando o ingresso no mercado nacional em 2017. Dentre elas estão a Snap Fitness, rede de academias norte-americana, a farmacêutica grega Genomed e a rede de restaurantes The Melting Pot. A primeira delas, inclusive, planeja investir cerca de R$ 2 milhões para operar aqui.

Assim como os players estrangeiros observam atentamente a economia nacional, algumas empresas brasileiras também apostam em outros horizontes para expandir suas marcas. Segundo Mauro, este é o caso da Hope Lingerie, que está procurando parceiros para inaugurar lojas nos Estados Unidos. Outra companhia que demonstra interesse em espalhar novas unidades no exterior é a rede de fast food Habib’s, que costuma marcar presença nas feiras de comércio mundo afora.

É preciso cautela
Apesar do bom momento para expansão, o executivo alerta para os cuidados que o franqueado deve tomar na hora de fechar negócio: “Como o mercado está muito competitivo, os candidatos tem que olhar com muito cuidado para os franqueadores mais novos. É preciso pesquisar bastante sobre o desempenho dele, saber quem está por trás do projeto, para entender se a empresa tem força”, detalhou, fazendo menção a um estudo realizado pela consultoria, que aponta um alto número de redes que desistiram de atuar com franquias após problemas com a rentabilidade do negócio.

Além de oferecer consultoria para empresas que buscam novos destinos para seus negócios, a Global Franchise também auxilia players que querem expandir através do modelo de franquias pelo País. Exemplos reconhecidos de sucesso no escopo da consultora são a rede Serviços do Futuro, que atua em diversos segmentos, e a companhia de limpeza comercial Jani-King. Agora, Mauro e seus parceiros estão à frente de um novo desafio, alavancar o crescimento do gastropubCão Véio no Brasil.

Novos truques
O ditado diz que não é possível ensinar novos truques para cachorros velhos, mas parece que isso não é realidade para o gastropub Cão Véio, encabeçado pelo cozinheiro – e apresentador do MasterChef Brasil – Henrique Fogaça. Há três anos em operação, o restaurante fica no bairro Pinheiros, em São Paulo, e agora quer ganhar novos mercados.

Foto Divulgação
Foto Divulgação

Com a proposta de unir um clima descontraído e alta gastronomia, o espaço nasceu de uma sociedade entre os amigos Badauí, vocalista da banda CPM22, Marcos Kichimoto, com passagens em bandas como Sepultura e Ratos de Porão, e o próprio Henrique Fogaça.

Aproveitando a maior exposição da marca, que aconteceu em função da participação de Fogaça no programa de TV, o Cão Véio faturou cerca de R$ 3 milhões em 2016, com margem de lucro líquido na casa dos 20%. Em entrevista ao DCI gerente administrativo do Cão Véio, Marcel Akira, conta que o tíquete médio do restaurante fica em torno de R$ 70 reais, sendo R$ 60 no almoço e R$ 80 no jantar. “O público é muito variado. À primeira vista, a casa tem uma cara de rock n’ roll, pela trilha sonora e a decoração. Isso sempre foi um atrativo para os fãs do gênero. Após a notoriedade que o Henrique ganhou, o público diversificou. Hoje, não temos como rotular nosso público, e isso é algo que temos orgulho”, crava. Para o executivo, o momento é oportuno para ganhar novos mercados, e como parte do plano de expansão da empresa, o Cão Véio está prestes a inaugurar duas novas unidades: uma em São Paulo, no Itaim Bibi, e outra em Brasília, ambas no formato de franquias, e que contou com o apoio da Global Franchise.

Publicada originalmente em: www.portaldofranchising.com.br